sábado, 28 de março de 2015

BANCOS, MONTADORAS E GIGANTTE DA ALIMENTAÇÃO.......



Bancos, montadoras e gigante da alimentação são alvo de operação contra propina
Em Brasília
28/03/2015    07h40

Os bancos Bradesco, Santander, Safra, Pactual e Bank Boston, as montadoras Ford e Mitsubishi, além da gigante da alimentação BR Foods são investigados por suspeita de negociar ou pagar propina para apagar débitos com a Receita Federal no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). Na relação das empresas listadas na Operação Zelotes também constam Petrobras, Camargo Corrêa e a Light, distribuidora de energia do Rio.
"Aqui no Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) só os pequenos devedores pagam. Os grandes, não", resumiu um ex-conselheiro do Carf, com cargo até 2013, numa conversa interceptada com autorização da Justiça, segundo relato dos investigadores. Procuradas pela reportagem, a maioria das empresas informou não ter conhecimento do assunto.
A fórmula para fazer o débito desaparecer era o pagamento de suborno a integrantes do órgão, espécie de "tribunal" da Receita, para que produzissem pareceres favoráveis aos contribuintes nos julgamentos de recursos dos débitos fiscais ou tomassem providências como pedir vistas de processos.
O grupo de comunicação RBS é suspeito de pagar R$ 15 milhões para obter redução de débito fiscal de cerca de R$ 150 milhões. No total, as investigações se concentram sobre débitos da RBS que somam R$ 672 milhões, segundo investigadores.
O grupo Gerdau também é investigado pela suposta tentativa de anular débitos que chegam a R$ 1,2 bilhão.
O banco Safra, que tem dívidas em discussão de R$ 767 milhões, teria sido flagrado negociando o cancelamento dos débitos.
Estão sob suspeita, ainda, processos envolvendo débitos do Bradesco e da Bradesco Seguros no valor de R$ 2,7 bilhões; do Santander (R$ 3,3 bilhões) e do Bank Boston (R$ 106 milhões).
A Petrobras também está entre as empresas investigadas. Processos envolvendo dívidas tributárias de R$ 53 milhões são alvo do pente-fino, que envolve a Polícia Federal, o Ministério Público Federal e as corregedorias da Receita Federal e do Ministério da Fazenda.
Outro lado
Os casos apurados na Zelotes foram relatados no Carf entre 2005 e 2015. A força-tarefa ainda está na fase de investigação dos fatos. A lista das empresas pode diminuir ou aumentar. Isso não significa uma condenação antecipada.
A Camargo Corrêa é suspeita de aderir ao esquema para cancelar ou reduzir débitos fiscais de R$ 668 milhões. Também estão sendo investigados débitos do Banco Pactual e da BR Foods.
A empresas citadas foram procuradas pela reportagem. O Grupo RBS informou que "desconhece a investigação e nega qualquer irregularidade em suas relações com a Receita Federal". O Bradesco e a seguradora especializada em saúde do grupo Bradesco Seguros informaram, por meio de nota, que não comentam assuntos sob investigação das autoridades judiciais.
O banco BTG Pactual, sucessor do antigo banco Pactual, também afirmou, via assessoria, que não comentaria. Entre as instituições financeiras, Santander e Banco Safra foram procurados, mas não se manifestaram. O BankBoston não foi encontrado. A Gerdau afirmou que não foi contatada por nenhuma autoridade pública a respeito da Operação Zelotes. "A empresa reitera que possui rigorosos padrões éticos na condução de seus pleitos junto aos órgãos públicos", informou, por meio de nota.
A Embraer afirmou que não tem nenhuma informação a respeito do assunto. A Camargo Corrêa também informou desconhecer "informações suscitadas pela reportagem". A Petrobras não quis se pronunciar, da mesma forma que a concessionária Light, do Rio de Janeiro. A Copersucar disse que desconhece o teor das informações e reitera que cumpre rigorosamente com todas as normas e legislação vigente.
BR Foods, Mitsubishi MMC, Ford Indústria, Cervejaria Petrópolis, Évora, Marcopolo, Nardini Agroindustrial foram procurados mas não responderam até o fechamento desta edição. A reportagem não conseguiu localizar Ometto, Viação Vale do Ribeira, Via Concessões, Dascan, Holdenn, Kanebo Silk e Cimento Penha e CF Prestadora de Serviços. A reportagem não conseguiu identificar com segurança quem são Carlos Alberto Mansur e Newton Cardoso. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

www.uol.com

sexta-feira, 27 de março de 2015

ACIDENTE COM VÍTIMA FATAL .

Ocorreu por volta das 14h30min desta sexta-feira (27) um acidente envolvendo dois veículos na localidade de Vista Alegre, interior de Caibaté.
Uma caminhonete F-1000 era conduzida na estrada em retorno ao município, quando chocou-se com um Gol, de uma empresa de Cerro Largo.
A SAMU e as ambulâncias do município atenderam a ocorrência e encaminharam os dois condutores ao hospital. No entanto, o motorista do Gol, Sidenei Sefrin da Silva faleceu à caminho.

www:radiosaoluiz.com

terça-feira, 24 de março de 2015

ATESTADO DE ÓBITO DO PT, do PP e de outros.

Atestado de óbito do PT, do PP e de outros

Postado por Juremir em 24 de março de 2015 - www.correiodopovo.com
O PT acabou. Surgiu como uma utopia no final da ditadura militar. Quando o muro de Berlim caiu, levando com ele o socialismo totalitário do leste europeu, o PT continuou sendo, para os seus militantes, um sonho de socialismo democrático ou até mesmo de volta dos regimes populares autoritários. No surgimento do PT, eu tinha 18 anos e estava mais interessado no anarquismo e nas minhas colegas de faculdade. Quando o muro desabou, eu estava ainda mais interessado no anarquismo e em encontrar um jeito de conhecer Berlim, o que aconteceu com uma bolsa do Instituto Goethe. Tive muitas brigas com petistas, que ajudaram a pedir e conseguir minha cabeça uma vez. O meu horror ao stalinismo me fez desconfiar do PT durante muito anos. O mensalão só me fez ficar com o pé ainda mais atrás. Fui a primeiro a escrever Lulla. Aí percebi que estava jogando para a direita.
O bolsa-família, as cotas e O ProUni, entre outras iniciativas de inclusão da plebe, especialmente a não branca, ganharam o meu aplauso. Veio o petrolão. A lógica petista é algo como “roubamos como todos, mas fazemos algo pelos menos favorecidos”. Jamais a legitimei. Hoje, o PT está reduzido ao “apesar de”. Diante da falência ética do partido e do enterro de todos os seus ideais, com senadores históricos debandando – Marta Suplicy vai para o PSB e Paulo Paim ainda não se decidiu –, só resta ao petismo dizer que apesar de tudo fez mais do que todos pelos que tem menos. A teoria do “apesar de” é um atestado de óbito, uma confissão de culpa, um recibo passado a todos. O PT já era. Pode sobreviver como um simulacro, uma sombra, um fantasma, um rastro do que foi, mas nunca como o original.
Para se reerguer, terá de romper com a teoria do “apesar de”, inventar um ritual de refundação, talvez até mudando de nome para algo como PTR – Partidos dos Trabalhadores Refundado –, e romper com a mitologia que faz de José Dirceu e outros heróis sacrificados pela justiça e pelo aparato repressivo burgueses em luta pela causa proletária. A teoria do “apesar de” é complementada com a tese do “não tem outro jeito”: para ocupar o poder e transferir um pouco de renda para os mais pobre seria preciso jogar o jogo, dançar conforme a música, aceitar as regras da política. O PT achava que era mais esperto do que a raposa. Pode continuar no poder por mais algum tempo e até tentar trazer Lula de volta, mas nunca mais será o mesmo, salvo se aceitar ser outro e começar tudo de novo jogando ao mar a sua parte podre. Só a ruptura pode reinventá-lo. É racha ou implode.
O que diz o petismo para se defender: que para chegar o poder é preciso muito dinheiro. De onde tirá-lo se o financiamento das campanhas é privado e empresas não gastam se não for para ter retorno? Como ter maioria para governar sem fazer coalizões esdrúxulas e pagas? O atestado de óbito do PT é também o registro em cartório da morte das ilusões na política limpa. Fica assim: empresas podem até pagar a conta de partidos conservadores para que conservem seus interesses, mas quem pagaria a conta de um campanha contra esses interesses? O “apesar de” tentar voltar pela porta dos fundos. Deu.
Mas o PT não morre sozinho.
Leva o PP com ele. O atestado de óbito do PP foi lavrado pelo deputado gaúcho Jerônimo Goergen. Depois de aparecer na lista Janot, Goergen declarou o fim do PP. Ex-partido da ditadura, o PP acostumou-se a viver como assombração. Nunca se importou em jogar Maluf ao mar. Saberá continuar como resquício de si mesmo. Se precisar, troca mais uma vez de nome.
Pela troca de nomes os mortos conquistam a vida eterna.
A senadora gaúcha Ana Amélia Lemos já pensa em sair do PP. O ar ficou insuportável.
O PSDB já nasceu morto-vivo. Nega a mulher de César: acha que pode ser honesto sem parecer.

A política brasileira é um enorme cemitério de partidos.

ARTISTAS E INTELECTUAIS COM CONTAS SECRETAS NA SUIÇA.

Postado por Juremir em 23 de março de 2015 - ww.correiodopovo.com
As contas secretas na Suíça vão enlamear muita gente.
O jornal O Globo de hoje publica uma lista de celebridades (artistas, escritores e ditos intelectuais) que tiveram continhas discretas no paraíso suíço da proteção ao dinheiro que não gosta de ostentação: Tom Jobim, Jorge Amado, Jô Soares, Francisco Cuoco, Edson Celulari, Claudia Raia, Maitê Proença (a mesma das duas pensões por ter tomado o cuidado de nunca se casar para manter os ganhos do pai e da mãe) e outros que, na maioria, por coincidência, levantaram dinheiro com a Lei Rouanet para bancar suas obras de arte (o Brasil tem lei de incentivo para artista rico e famoso) que, em geral, naufragaram ou não passaram de besteirol de mercado para ganhar dinheiro e aparecer e aparecer na mídia amiga e complacente.
E agora, Jô?
A defesa dos nossos herói culturais vai ser dura.
Até pode sr que tenham obtido legalmente o dinheiro escondido. Mas, justamente, por que estava em contas secretas?
Era para burlar a receita federal?
Era para esconder a grana de algum parente chato mordedor?
Era medo de ser roubado numa conta comum?
Confesso que não entendo o conceito de conta secreta.
Se o dinheiro é legal, por que é colocado numa conta secreta?
Por que gente morando no Brasil – Como Jô, Cuoco e outros – guardou dinheiro em conta secreta na Suíça?
Por que todos negam?
Amanheci com muitas perguntas e nenhuma resposta convincente.


PT, PSDB, PP , PMDB e OUTROS NO MESMO SACO.

Postado por Juremir em 22 de março de 2015 - www.correiodopovo.com
A guerra é implacável entre os partidos brasileiros. Um faz, o outro se associa e um terceiro imita.
A corrupção na Petrobras, segundo os delatores, começou no governo FHC. O PT aprimorou com ajuda do PMDB e do PP.
O PSDB inventou o mensalão em Minas Gerais em benefício de Eduardo Azeredo. O PT, com PMDB, PP e outros, aperfeiçoou e tornou federal um esquema que era estadual e ainda razoavelmente discreto, embora eficaz e predador.
A justiça de São Paulo acaba de aceitar denúncia no caso do cartel de empresas do metrô paulistano. Um enorme propinoduto prosperou ao longo dos governos tucanos. José Serra e Geraldo Alckmin tiveram tempo e condições de perceber que estava vazando dinheiro público em horta alheia. A Siemens já confessou ter participado do jogo. Foi grana alta.
Em comum, PT e PSDB tem o mesmo discurso: ninguém sabia de nada. FHC não viu a compra da emenda da sua reeleição nem a corrupção na Petrobras. Azeredo não viu o mensalão que irrigou sua campanha. Lula jamais soube de qualquer coisa. Dilma não sabe de nada. De Mario Covas a Geraldo Alckmin ninguém viu a corrupção em São Paulo. Quanta cegueira!
Nas manifestações de 15 de março, legitimamente contra a corrupção, estranhamente só a corrupção do PT era visada.
Faz algum sentido. O PT tem o poder federal.
Mas nenhum cartazinho, que eu tenha visto, contra Renan Calheiros, Eduardo Cunha, PMDB, PSDB, PP e outros.
No Rio Grande do Sul, nenhuma faixinha sobre os seis do PP presentes na lista Janot.
Dia 12 de abril haverá nova rodada de manifestações no Brasil. Os paulistas vão protestar contra a ladroagem do metrô?
Entre nós, estão todos no mesmo saco, são todos muito parecidos e ainda tentam se livrar com a mesma desculpa: é muito perigoso tratar todos os políticos como farinha do mesmo saco, pois isso põe em risco a democracia.
Tem uma solução para isso: é só os políticos não se comportarem da mesma maneira.
Por enquanto, no atacado, não tem diferença.
Só a ideologia tem feito distinções.
E a justiça. O mensalão mineiro ainda não foi julgado. A emenda da eleição de FHC nem foi investigada.
O PT diz que nos seus governos nada se engaveta e ninguém interfere no trabalho da Polícia Federal.
Os antipetistas dizem que  há nada demais nisso, que esse é o funcionamento normal das instituições, mas, na época de FHC, o Procurador-Geral da República Geraldo Brindeiro arquivava tudo. O STF atual tem maioria indicada por Lula e Dilma. Mesmo assim, botou petistas na cadeia, aliviou a situação de Eduardo Azeredo, mandando seu caso para instâncias inferiores, e segue o seu curso mostrando autonomia, acertos e erros para todos os lados e até legislando quando acha necessário.
Por trás da indignação contra a corrupção corre o ódio ao bolsa-família.
Isso, porém, não absolve o PT, que, de resto, acabou.
A senadora Marta Suplicy já o declarou morto. Vai para o PSB. O senador gaúcho Paulo Paim quer sair.
O PT deu os doces.
Só falta o atestado de óbito. Depois de tanta corrupção, já vai tarde. Pode levar os demais com ele.
Os partidos brasileiros precisam ser refundados de cabo a rabo.
Quem aceita começar?
Precisamos de reforma política radical a ser feitos pelos políticos.
Eles não podem fazê-la.

Não querem se suicidar.

O BRASILEIRO É ACIMA DE TUDO UM GOLPISTA.

Postado por Juremir em 21 de março de 2015 - Uncategorized
O Brasil parece não ter nascido para a democracia.
Assim como não se acostuma com a fórmula de pontos corridos no futebol. O brasileiro acha isso tudo muito chato. O Brasil gosta de mata-mata. Democracia e pontos corridos dão pouca emoção. É um sistema enfadonho em que o ganhador ganha e acabou. Não faz sentido. Não tem atalho. O brasileiro adora poder matar quem o matou. É o princípio da ressurreição ou da última chance. O incompetente precisa ter uma possibilidade de virar o jogo mesmo que tenha sido disparado o pior.
O derrotado nas urnas sempre quer um terceiro turno ou um impeachment providencial mesmo que não existam razões jurídicas para tanto. No futebol, o oitavo colocado, digamos, com 20 pontos a menos, quer ter o direito de eliminar o primeiro em dois bons jogos lotéricos.
A democracia é tediosa. O ganhador fica quatro anos no poder. O perdedor precisa esperar. Depois de mais de duas décadas de ditadura, elegemos um presidente, o bizarro Fernando Collor. Tratamos de derrubá-lo para encurtar a enormidade do seu mandato. Itamar Franco assumiu como tampão. FHC veio depois e comprou a emenda da sua reeleição. Essa providência serviu para sacudir o tédio democrático. A cada mandato é preciso algum tipo de golpe, branco, preto, seja o que for. Lula empalmou o poder e podia ter caído com o mensalão. A oposição dormiu no ponto e deixou a coisa rolar sem graça até o fim. Dilma foi inventada por Lula e já está no segundo mandato. Ninguém aguenta mais tanta democracia.
O PSDB, furioso por ter perdido nas urnas, dá o tapa e esconde a mão: quer o impeachment sem confessar. Nem se importa com o fato de que o poder ficaria com o eterno PMDB.
Democracia e pontos corridos não combinam com o Brasil. É como carnaval sem álcool. Fica difícil acontecer alguma coisa mais excitante. O brasileiro é, antes de tudo, um golpista. Só goza no golpe. Só tem tesão no atalho. A democracia é broxante. Entre nós tudo se repete como farsa. Paulistas querem repetir 1932, 1954 e 1964. Ainda estamos na época de Carlos Lacerda e do combate à ameaça comunista. A frase do momento é novinha: o petróleo é nosso. Um lado grita genialmente: vai para Cuba. O outro rebate: vai para Miami. Não por acaso estamos vivendo uma tentativa de golpe disfarçada de impeachment e uma proposta de volta ao sistema mata-mata. A eleição sem golpe e os pontos corridos são injustos, pois exageram na justiça.
Não dão espaço para a reviravolta. Matam o revanchismo.
O golpismo faz do brasileiro um forte. Se está ruim, aposta no pior. O brasileiro só é democrata quando toma as ruas em defesa de um golpe apelidado de impeachment. Quando o eleito pode se reeleger para um segundo mandato, queremos que isso não seja mais possível. Quando não há reeleição, propomos que isso seja possível. Detestamos repetir fórmula. Salvo a do caixa dois com dinheiro ilícito. Somos todos iguais no golpismo, no mata-mata e no caixa dois. Salvo as exceções.
Não fosse a possibilidade do golpe, o brasileiro não seria democrata.
O golpismo está em nosso DNA. Quando não tem golpe de Estado, tem golpes de todo tipo contra o erário público.



segunda-feira, 23 de março de 2015

UFFS PROMOVE PALESTRA SOM SERVIÇO ALEMÃO DE INTERCÂMBIO.

Será realizada, na próxima terça-feira (24), no Campus Cerro Largo, uma palestra do Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD) para os graduandos que desejam participar de intercâmbio na Alemanha. A palestra ocorrerá no auditório da UFFS – Unidade Seminário a partir das 19h. A Unidade Seminário está localizada na Rua Major Antônio Cardoso, 590, no Centro de Cerro Largo.

sábado, 21 de março de 2015

FALTA DE CHUVA COMEÇA A PREOCUPAR;

Começa a preocupar a falta de chuva para o ciclo completo da soja tardia e da
safra de milho que tende(?) a ser uma das melhores dos últimos anos.
Depois de um janeiro e fevereiro com precipitações acima da média,
a região de  Cerro Largo começa a sentir os efeitos da falta de chuvas em março
o que poderá trazer alguns prejuízos aos agricultores e principalmente ao setor
leiteiro e de hortaliças, pois o pasto está secando e às hortaliças mesmo  irrigadas
não produzem com qualidade devido ao sol que neste período está muito aquecido.

sexta-feira, 20 de março de 2015

FABIAN THOMAS É O NOVO PRESIDENTE DA AMM.



Rever a pauta estratégica da região, especialmente pleitos direcionados ao Estado e à União, e ocupar maior espaço político na tomada de decisões regionais integram as ações da diretoria

A força política e estratégica da Associação dos Municípios das Missões (AMM) é vital para auxiliar os gestores municipais na administração das 26 comunidades missioneiras, garantindo o desenvolvimento harmônico da região. Neste sentido, será realizado um intenso trabalho político para ampliar a atuação da Associação junto às esferas federal e estadual. Este é o posicionamento do novo presidente da AMM, prefeito de Giruá, Angelo Fabiam Duarte Thomas (PDT), 38 anos, eleito na manhã desta sexta-feira (20/03) durante assembleia geral, em Cerro Largo. “Com a união dos prefeitos e a força da AMM acreditamos ser possível reduzir o número de pautas pendentes, além de aumentar consideravelmente o número de projetos regionais e municipais, efetivamente concretizados em diversas áreas”, garantiu Fabiam explicando que é fundamental que a entidade tenha uma maior representatividade estadual e até nacional. “Retidão e comprometimento deve marcar nosso trabalho para que, no próximo ano quando finalizar esta gestão,  possamos prestar contas da nossa atuação frente à diretoria da entidade”, enfatizou Thomas.
Angelo Fabiam Duarte Thomas, que vai presidir a AMM até março de 2016, fez questão de ressaltar o valoroso trabalho prestado por todos os prefeitos que já ocuparam a presidência da entidade, o que permitirá a continuidade das ações. “Temos que manter honrado o nome de todos os ex-presidentes, entre eles o meu pai, Lauri Antônio Thomas, que há trinta anos também presidiu a Associação. Nosso trabalho será dedicado a todos que vieram antes de nós, e lutaram para fazer da Associação a força municipalista da região”, enfatizou Fabiam, que relembrou outro ex-prefeito de Giruá, Humberto Weschenfelder, que há 24 anos também esteve no comando da AMM.

Fidelidade aos princípios
O novo presidente evidenciou que uma das estratégias de atuação da nova diretoria para garantir o atendimento de todas as demandas dos 26 municípios missioneiros será, em uma primeira etapa, classificar os pleitos regionais em prioridade absoluta e essencial. A partir desta definição haverá a elaboração de uma agenda de trabalho, também levando em consideração as reivindicações individuais dos municípios. “Tudo o que for de competência da AMM será enfrentado com absoluta dedicação e fidelidade aos princípios éticos e legais”, afirmou o prefeito giruaense ao destacar: “é preciso reconhecer que é cada vez mais difícil o trabalho dos gestores municipais para administrar, e, mesmo assim, todos se dispõem a contribuir para o crescimento unificado de toda a região, com a nossa AMM”, acrescentou.
Reforço do Parlamento Gaúcho
Ex-presidente da AMM, o deputado estadual Eduardo Loureiro (PDT), que está à frente da Comissão de Assuntos Municipais da Assembleia Legislativa, participou da reunião e voltou a reiterar o compromisso com as pautas da região. “A AMM é o nosso fórum de debate na região missioneira e quero reafirmar nossa missão de representar e fortalecer as Missões, que ao longo dos anos enfraqueceu politicamente. Vamos seguir firmes na busca por melhorias na infraestrutura logística e outros pleitos prioitários da região”, destacou Loureiro.
Também o deputado estadual Gabriel Souza (PMDB) esteve presente na assembleia da Associação e garantiu esforços para que o Estado olhe para a região das Missões.”Teremos muitos avanços neste atual governo estadual, especialmente no que tange à recuperação das rodovias, que estão em péssimas condições, assim com em outras áreas que necessitam melhorias. Contem com o nosso apoio na Assembleia Legislativa”, disse o deputado.

Trajetória Angelo Fabiam Duarte Thomas
Aos 38 anos, o novo presidente da Associação dos Municípios das Missões (AMM), Angelo Fabiam Duarte Thomas é prefeito de Giruá, casado com Carolina de Oliveira Konzen Thomas, e pai de Vitorio Konzen Thomas (08 meses). Sua experiência na política e na administração pública começou em família. Seu pai, Lauri Antônio Thomas, foi prefeito na gestão 1983/1988, e presidente da AMM em 1985. A mãe, Maria Genuina Duarte Thomas, foi vereadora em Giruá por três mandatos. Eleito em 2009, Thomas foi o primeiro prefeito reeleito, e com a maior margem de votos registrada em Giruá. Filiado ao Partido Democrático Trabalhista (PDT) desde 2003, também é membro do Diretório Estadual do partido.
É o atual presidente da Associação dos Prefeitos e Vice-Prefeitos do PDT/RS e um dos vice-presidentes da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs). Em 2010, foi diretor de Turismo da Fundação dos Municípios das Missões (Funmissões). No ano de 2011 foi eleito vice-presidente da Associação dos Municípios das Missões, e em 2014 exerceu a função de 1º Secretário, entre outros cargos que ocupou na diretoria da entidade. Bacharel em Ciências Jurídicas, quando estudante cumpriu estágio junto ao Ministério Público de Giruá, com atividades também em Guarani das Missões, Campina das Missões e Cerro Largo. Atuou na advocacia durante oito anos, principalmente nas áreas do direito administrativo, empresarial, eleitoral, civil e criminal.

DIRETORIA AMM - GESTÃO 2015/2016
PRESIDENTE: Angelo Fabiam Duarte Thomas 9PDT) - Prefeito de Giruá
VICE-PRESIDENTE: Sergio Birck (PPS) - prefeito de Caibaté
1º SECRETÁRIO: Jair Henrich (PMDB) - Prefeito de Salvador das Missões
2º SECRETÁRIO: Roberto Bruinsma (PP) - Prefeito de Eugênio de Castro
1º TESOUREIRO: Nelson Hentz (PP) - Prefeito de Mato Queimado
2º TESOUREIRO: Noeli Ruwer (PMDB) - Prefeita de São Paulo das Missões

CONSELHO FISCAL
TITULARES
1º TITULAR: Sadi Ribas (PMDB) - Prefeito de Roque Gonzales
2º TITULAR: Ademir Gonzato (PP) - Prefeito de Dezesseis de Novembro
2º TITULAR: Hilário Casarin (PP) - Prefeito de São Miguel das Missões
SUPLENTES
1º SUPLENTE: Celso Wiede (PP) - Prefeito de Ubiretama
2º SUPLENTE: Paulo Peixoto (PMDB) - Prefeito de Rolador
3º SUPLENTE: René Nedel (PMDB) - Prefeito de Cerro Largo
DEPARTAMENTO DE TURISMO - DETUR/FUNMISSÕES
PRESIDENTE: Junaro Rambo Figueiredo (PP) - Prefeito de São Luiz Gonzaga
VICE-PRESIDENTE: Paulo Sommer (PMDB) - Prefeito de Porto Xavier
PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO DAS PRIMEIRAS-DAMAS DA AMM:
Carolina de Oliveira Konzen Thomas - Primeira-dama de Giruá

site: AMM


quinta-feira, 19 de março de 2015

UFFS CERRO LARGO CONTRATA PROFESSORES SUBSTITUTOS.

campus Cerro Largo contrata professores substitutos

 A Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – Campus Cerro Largo publicou edital para Processo Seletivo Simplificado para contratação de Professor de Magistério Superior Substituto. São oferecidas cinco vagas em diferentes áreas do conhecimento: uma vaga para professor de Literaturas Hispânicas, uma para professor de Psicologia, uma para Teoria Literária e Literaturas de Língua Portuguesa, uma para Sociologia e Ciência Política e uma para Administração Geral.
As inscrições iniciam nesta sexta-feira (13) e terminam no dia 19 de março e devem ser feitas na Assessoria de Gestão de Pessoas do Campus Cerro Largo, na rua Major Antônio Cardoso, 590, Unidade Seminário, das 8h30 às 11h30 e das 13h30 às 17h, de segunda a sexta-feira.
O processo seletivo constará de prova de títulos e prova didática.
Mais informações no Edital nº 177/UFFS/2015. O e-mail para contato é agp.cl@uffs.edu.br.
A divulgação do resultado final será no dia 07 de abril.

GAZETA INTEGRAÇÃO.


quarta-feira, 18 de março de 2015

CONGRESSO NACIONAL APLICA GOLPE NO EXECUTIVO.

Na calada da noite desta terça feira o Congresso Nacional aplicou mais um golpe no Orçamento da União. Aprovou o aumento das verbas para o fundo partidário de R$219 milhões para R$ 867 milhões de reais, triplicando os valores e criando um aumento das despesas como se no Brasil estive sobrando dinheiro.
E os políticos ainda falam em financiamento Público de Campanha, como se isso fosse acabar com
a corrupção infiltrada na classe política.
Assim fica difícil . Como é que não vai faltar dinheiro para a Saúde, Educação etc e tal ????